sábado, 25 de agosto de 2007

Ainda somos os mesmos e vivemos, como nossos pais?


Venho escutando "O Teatro Mágico" frequentemente.
Música, teatro,poesia,circo.... que combinação hein!?
Quando escuto o trabalho deles sinto que não estou sozinho,
e é uma sensação irmã das que sinto quando estou com o PRANA(nosso grupo de teatro) e com o "Nãoprecisafalarmaisnada"(outro grupo de teatro que participo),
quando converso com meu amigo de Blumenau, ou com jovens que tem a mesma coragem que a gente tem.
Coragem de se encarar e encarar os outros;
coragem para ser fraco e coragem para ser forte.
Coragem para amar a céu aberto.
Com pequenas atitudes, essa juventude substitui os campos de batalha,
Por outro campo.
Um campo onde um garoto esqueceu os sapatos e se lambuzou com a terra e com o próprio suor, numa tarde de inverno com sol e vento.

"Camarada d'onde vem essa febre
Nossa alegria breve, por enquanto nos deixou...
Camarada viva a vida mais leve
Não deixe que ela escorregue
Que te cause mais dor"
(Trecho da música camarada dágua)



Para quem quiser conferir melhor o pessoal, o youtube está saturado de vídeos e o orkut de comunidades.
Também tem essa página com as músicas: http://palcomp3.cifraclub.terra.com.br/oteatromagico/

E o sitio oficial:
http://www.oteatromagico.mus.br/index2.php

E os blogues:
http://www.oteatromagico.mus.br/index2.php?blog=1
http://www.teatromagico.blogger.com.br/

Aí vai a letra de uma canção deles:

A pedra mais alta

Me resolvi por subir na pedra mais alta
Pra te enxergar sorrindo da pedra mais alta
Contemplar teu ar, teu movimento, teu canto
Olhos feito pérola, cabelo feito manto

Sereia bonita sentada na pedra mais alta
To pensando em me jogar de cima da pedra mais alta
Vou mergulhar, talvez bater cabeça no fundo
Vou dar braçadas remar todos mares do mundo

O medo fica maior de cima da pedra mais alta
Sou tão pequenininho de cima da pedra mais alta
Me pareço conchinha ou será que conchinha acha que sou eu?
Tudo fica confuso de cima da pedra mais alta

Quero deitar na tua escama
Teu colo confessionário
De cima da pedra não se fala em horário
Bem sei da tua dificuldade na terra
Farei o possível pra morar contigo na pedra

Sereia bonita descansa teus braços em mim
Não quero tua poesia teu tesouro escondido
Deixa a onda levar todo esboço de idéia de fim
Defina comigo o traçado do nosso sentido

Quero teu sonho visível da pedra mais alta
Quero gotas pequenas molhando a pedra mais alta
Quero a música rara o som doce choroso da flauta
Quero você inteira e minha metade de volta

4 comentários:

mona lisa disse...

Charles !!!!!

também tenho escutado muito circo mágico nos ultimos tempos !

Acho que andamos todos ultimamente brincando nas mesmas cordas bambas, se equilibrando nos mesmos malabaris ....

procurando... experimentando ...
Adorei esse texto !!!

beijoooosssss !!!

Enzo Potel disse...

sempre me pergunto se ainda sou o mesmo e se vivo como minhas primas
kkkkk

sorte sempre nas pedaladas

Costadessouza disse...

poxa, Enzo, eu não como minhas primas!
mas, Charles, muito bom estares com os sentidos aguçados. é assim que nos descobrimos mais rápido.

abraço

Bárbara disse...

Oie
quem me deu esse "apelido" foi o Enzo eu não seria tão pretenciosa assim. mas ele jura que é assim que ele me vê.hehehe!
sim, nos vemos no festival
Um beijo muito grande
Bárbara